LOGOS em Guimarães
Um dia com José

No passado dia 23 de fevereiro, Guimarães deu início aos Encontros Logos. Encontros onde, de 
uma forma diferente, os jovens se podem encontrar com a Palavra de Deus. O encontro teve desta 
vez, como figura de destaque São José. Para o conhecer mais e melhor os jovens participantes, 
passaram a sua tarde de domingo entre jogos, oração e partilha atentos ao que o silêncio de São 
José lhes podia "dizer".


Participaram no encontro oito jovens que, desta vez, nos deixaram o seu testemunho:

"Neste encontro percebi que o silêncio não é apenas ausência de barulho, mas é também um
momento em que podemos falar connosco mesmos e principalmente com Deus, tal como
José, que "falava" em silêncio." Íris Silva, 14 anos

"Neste encontro percebi que São José é uma figura importante, mais do que pensamos.
Aprendemos a adquirir a sua perseverança, reflexão e a sem hesitar seguir o Senhor." 
Teresa Vieira, 23 anos

"Neste encontro percebi que o caminho que Deus nos propõe nunca é o mais fácil. No entanto,
todo o percurso é essencial. No caminho aprendemos muito e vamos sempre ter ao local pretendido." 
Francisca Antunes, 16 anos


"A partir deste encontro, consegui perceber a simplicidade de Deus e da relação que
devemos ter com ele. Mas, também as pequenas coisas que temos que fazer para a
cimentar, mesmo sendo difíceis." Inês Machado, 15 anos

"Com este encontro percebi que por vezes estamos cercados de demasiados barulhos e, que
precisamos de silêncio para escutar o que Deus tem para nos dizer!" Sandra Santos, 18 anos

"Neste encontro, percebi a importância de São José na vida de Jesus e consequentemente
na minha vida. Também percebi a importância do silêncio (silêncio fecundo) e do que
podemos retirar dele (ficar mais próximos de Jesus)." Mariana Miranda, 17 anos

"Hoje percebi que sem palavras se pode falar. E hoje aprendi a dar mais valor ao silêncio." 
Clarisse Ribeiro, 20 anos

"Neste encontro conheci melhor José e percebi também que não é preciso falar muito para
perceber o que a outra pessoa está a sentir e que basta apenas um olhar para ajudar a
pessoa." Paulo Carvalho, 16 anos

Ir. Sílvia Rocha, asm