poesia e espiritualidade.
Palavras que são como crianças

PALAVRA versus SILÊNCIO I
um poema a cada dia vinte e um.

 

21 de março 2021
dia mundial da poesia

Neste dia em que celebramos as palavras, desejamos que elas nos aproximem cada vez mais da Palavra que, em Jesus, nos foi legada. Que o Evangelho receba de cada um de nós uma casa onde habitar, um campo onde dar fruto e um louvor de gratidão.


Há uma criança que se ergue
do berço de cada palavra.

Se dorme,
Demoramo-nos a decorar-lhe os traços
No silêncio do seu pousio.
Se desperta,
Colhemos maravilhados
O espanto dos seus sentidos.
Ela cresce
Na demorada extensão do tempo
Fazendo-nos crescer
Na lenta compreensão da vida.

São crianças as palavras
Que nos fazem levantar a meio da noite
Pois só encontram descanso ao colo da p
romessa

De recriarmos um gesto onde possam deitar-se
E acordar de novo
Para deixar tudo fora
do lugar.

Elas desarrumam a casa e a vida.
E se assim não for,
se não há barulho e alegria
quedas e choro
tinta nas paredes
sofás riscados e a mais sincera gargalhada,
É melhor ir espreitar

Porque a palavra é uma festa
Felizes os convidados para
a ceia da verdade.


Aí as tuas palavras são crianças inconvenientes e inoportunas
Para desconserto das certezas que fechamos inacabadas.
E atrapalhados pelas perguntas aguçadas de tão simples
E cheias de razão,
Reinventamos contritos e humilhados
A promessa da escuta,
A fome do estudante,
A confiança do pobre.
Não sabemos de onde vêm nem para onde vão:
As tuas palavras são crianças que crescem
De noite.

A cada uma delas seja dada uma casa
Um campo e um louvor.

 

Verónica Benedito, asm