III de IV
III. JACINTA, PROFETA DE ESPERANÇA

"Em outra ocasião, fomos para a Lapa do Cabeço. Chegados aí, prostrámo-nos por terra,
a rezar as orações do Anjo. Passado algum tempo, a Jacinta ergue-se e chama por mim:
– Não vês tanta estrada, tantos caminhos e campos cheios de gente, a chorar com fome, 
e não tem nada para comer? E o Santo Padre em uma Igreja, diante do Imaculado Coração
de Maria, a rezar? E tanta gente a rezar com Ele?"

 

Para entendermos o mistério da Jacinta temos de dirigir o nosso olhar para onde ela dirige
o seu olhar... 
E ela faz-nos ver o que via, o que secretamente lhe preenchia o olhar, o coração, os dias.

"Não vês? tanta gente a chorar com fome, e o Santo Padre a rezar, e o
Imaculado Coração de Maria?"

E comove-nos o seu coração compassivo e generoso. Era tão pequenina e capaz de tanto
amor... tinha, dentro de si, tanto espaço ... cabiam lá todos as dores de todos os tempos... 
Nós temos também lugar no seu coração...

Porque a Jacinta não desiste de ninguém: reza por todos, sacrifica-se por todos, oferece-se
por todos... 

"E Jacinta não desiste de ninguém, porque é testemunha daquele que nunca desistiu de
ninguém" (Pedro Valinho Gomes).

Tanto nos pode ensinar esta menina...

Assim, hoje, a Jacinta, pergunta-me a mim, a ti: não vês o sofrimento ao teu lado, não
vês tantas solidão mesmo em membros da tua família...

Que Santa Jacinta interceda por nós para que o Senhor nos conceda a graça de termos
um coração sensível e cheio de compaixão para com os que sofrem.

Ir. Ângela de Fátima, asm